Relacionamento

Eles opinam: como mudar comportamentos machistas?

11 de setembro de 2019
Avatar

author:

Eles opinam: como mudar comportamentos machistas?

Não podemos nos enganar: o machismo é sim muito prejudicial aos homens. Ora, as taxas de suicídio são maiores para nós no mundo todo, então acho que temos um problema aqui, certo?

Além disso, o feminicídio, que é um crime majoritariamente cometido por homens contra suas parceiras ou ex-parceiras, também é altíssimo no nosso país.

Ou seja, nós homens temos uma dificuldade imensa de lidar com nossos sentimentos. Pior ainda: as consequências disso acabam sendo extremas e letais.

Homem segurando o choro. Contém a frase: "não vou chorar".
“Não vou chorar”

A níveis assustadores, acabamos nos matando ou então matamos alguém que julgamos ser a fonte dos nossos problemas. Isso tem que acabar.

Quando falamos sobre relacionamentos abusivos, vimos que nós homens quase sempre estamos na posição de abusador nessas relações. Também vimos que há vários comportamentos machistas que aprendemos conscientemente e inconscientemente no decorrer da nossa vida.

A pergunta que fica é: como podemos quebrar esses padrões? Por isso, chamamos um grupo de caras para discutir algumas alternativas de como podemos melhorar nosso comportamento. Vamos conferir?

Depoimentos

“Acho que temos que começar a escutar mais e não ter medo de mudar nossos conceitos. A masculinidade que nos foi ensinada é muito tóxica e abrir mão dela te deixa uma pessoa muito mais livre.” (Matheus)

“Creio que participando de oficinas que fizessem com que nos colocássemos no lugar das outras pessoas, vendo o quão ruim é a nossa atitude.” (Jorge)

“Nada melhor do que ajudando a abrir os olhos daqueles amigos machistas que acham que mulher é objeto, repudiando e advertindo as atitudes deles.” (Daniel)

“Muitas vezes eu já fui chamado de chato porque sempre que algum amigo soltava um comentário preconceituoso, eu não só não ria, como falava pra ele que aquilo era ridículo. Depois de algumas vezes, alguns deles até se tocaram do absurdo que falavam. O machismo, infelizmente, está tão enraizado em muitos, que eles só entendem o absurdo dos comentários que fazem quando outros homens explicam pra ele.” (Assis)

Identificando comportamentos machistas

Os depoimentos acima trazem boas dicas iniciais do que podemos fazer para melhorar nossas relações. Mas além disso, gostaria de juntar alguns pontos que foram citados para propor um exercício que vi há alguns meses no Twitter.

Nós, homens, temos dificuldade de escutar e de nos colocarmos no lugar das mulheres. Acabamos nos fechando na bolha masculina e acabamos só respeitando a opinião de outros homens.

Uma mulher tenta falar com um homem, que gira sua cadeira para não escutá-la

Esse comportamento provavelmente é alimentado por diversas fontes e talvez seja complexo demais para ser explicado num post de blog. Mas pensando um pouco, vemos que a esmagadora maioria dos “modelos de sucesso” que nos apresentam durante a vida são homens. Isso sem dúvida nos torna muito enviesados para concordar com opiniões masculinas e subestimar as femininas.

Se você duvida, tente pensar nos primeiros nomes de atletas, artistas, empreendedores ou cientistas que vem à sua cabeça. Quantas mulheres você citou? Infelizmente, quase sempre é o nome de um cara que surge de primeira.

Exercício final

Então quero propor o mesmo exercício que vi no Twitter da @akalaurao e me fez refletir bastante. Faça uma pequena volta ao tempo, desde quando era criança até os dias de hoje, e questione o seguinte: quem são as mulheres que você admira – além de suas familiares e pessoas próximas?

O que estou tentando dizer é o seguinte: para mudar alguns comportamentos machistas nas nossas vidas, o passo mais importante é colocar as opiniões e ideias de homens e mulheres em pé de igualdade.

Isso é o básico para equilibrar as posições de poder na nossa sociedade e apresentar cada vez mais modelos de sucesso femininos para as próximas gerações. Sem dúvidas, haveria um impacto no jeito que nos relacionamos com nós mesmos e com as mulheres ao nosso redor.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *